Back to basics

Março 3, 2011

Lets go back to basics.

Vamos esquecer a corrida para aprender a caminhar. Vamos deixar as frases e argumentos para aprender a escrever, ou, até mesmo, a falar.

Lets go back.

Um exercício interessante.

Qualquer líder, qualquer profissional, qualquer pessoa. Volte a cassete em rewind e faça a pergunta.

 – O que é realmente importante?

Acredito que seria capaz de elaborar uma lista de prazeres, necessidades e prioridades: ter que alcançar determinado objectivo, ter tempo, ter dinheiro, ter mais clientes, ter colaboradores mais dedicados, deixar de ter problemas, ser respeitado, fazer o que se gosta, etc etc.

Por isso é certo que este ano, talvez por ter uma lista demasiado grande, tenha decidido voltar às bases. Reduzindo-a à sua essência e correndo o risco de ser demasiado óbvia, chego à conclusão:

“O mais importante é estar feliz.”

E digo estar e não ser, porque falo de um estado e não de uma condição.

Sei que provavelmente agora alguém esboça um irónico sorriso, sei que também outro pensa que sim, isso é muito bonito mas existem outras prioridades e não há tempo para pensar nessas coisas.

Eu digo que não. Eu digo que essa deve ser SEMPRE a principal prioridade. Para hoje.

A felicidade é uma receita feita de vários ingredientes que podem ser presentes, passados ou futuros e que definem a nossa motivação.

Lembro-me de uma importante lição que aprendi algures num voo internacional. “Em caso de despressurização, se estiver acompanhado de crianças, coloque primeiro a máscara de oxigénio em si e depois na criança”.

Dê primeiro ar a si para que o possa dar à criança.

O contrário poderia parecer mais nobre, mas seria também mais estúpido. Se não tivesse ar, como poderia dar ar aos outros?

Agora talvez consigamos fazer melhor a ponte: Se não estiver feliz, como posso tornar os que me rodeiam felizes (e, por consequência, motivados)?

Tenho conhecido empreendedores e líderes que não compreendem nem colocam essa prioridade pessoal. Gostaria de lhes explicar que, tal como a felicidade do líder é feita de ingredientes, esta própria é um ingrediente essencial ao sucesso da organização e a colaboradores mais motivados.

Pessoas motivadas são mais criativas, mais empenhadas, e funcionam melhor em equipa.

Colaboradores mais felizes não necessitam de uma remuneração tão elevada para se sentirem compensados.

Ao escrever este texto corri o risco de dizer tolices, uma vez que o escrevi por intuição, sem recurso a bibliografia. No entanto, posso dizer que me inspirei nestes dois livros, que recomendo a quem se interessa pela área:

  • Cartas para Cláudia, por Jorge Bucay (psicologia – felicidade)
  • The truth about you, por Marcus Buckingham (motivação no âmbito empresarial)

Por isso, se tem muitas “preocupações”, simplifique. Volte ao básico. Conheça-se.

Citando outra frase importante, desta vez dita por um vizinho num recado deixado numa mensagem de voz, depois da chamada ter caído:

“Pronto, já disse o que tinha a dizer.”

E soube-me bem.

Lígia Fernandes

3 Respostas to “Back to basics”

  1. Manuel Nascimento said

    Parece estranho o tema “back” quando apenas nos dias de hoje falamos em “forward”.
    Falar de felicidade e motivação quando a tristeza está desconcertadamente presente não é contraditório?
    O tema é demasiado pessoal e de entrega para não ser comentado, porque direi: O sol nasce todos os dias mesmo nos dias enevoados, chuvosos e frios!… e é tão giro vermos a vida todos os dias com as suas mutações, pedidos de entendimento e as situações que os olhos não alcançam e só lá chega um coração palpitante!

  2. “Back to basics” – definição exemplar do que é compreendido na modelação de sistemas na qual os problemas estão caractetizados internamente na empresa através dos seus recursos e capacidades, sendo necessário fugir um pouco da visão geral da empresa e olhar para os processos nucleares!

    sugiro a todos que perguntem à área de consultoria da C4G o que os sistemas dinâmicos podem fazer pela sua empresa! …pela minha experiência maravilhas!
    por exemplo: o comité internacional dos jogos olímpicos conseguir optimizar e poupar 18 Milhões de Dollares nos jogos olímpicos de Atenas!

  3. c4gcomercial said

    Pois, seja que nome se lhe dê, seja em contexto pessoal ou profissional, penso que o princípio é o mesmo: afastar-nos para ver o quadro completo, verificar as fundações, para perceber se o edifício não corre o risco de ruir!

    Nunca parece mal falar em back, é o outro lado da moeda. O passado é importante pelas lições que pode dar ao futuro, ao forward.

    E… falar de felicidade e motivação quando a tristeza possa estar presente, faz tanto sentido como falar de saúde em caso de doença. Trata-se de uma necessidade básica que se identifica melhor se não estiver presente!

    Enquanto existem outras variáveis que poderemos não controlar, esta está ao alcance da organização todos os dias, e assim, porque não falar nela?

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: